Auteur : João Carlos Nara Jr.

Cemitérios africanos diaspóricos

Para nós arqueólogos, a forma como uma sociedade enterra seus mortos é um dos traços mais distintivos de humanidade. No entanto, a história nos mostra que os defuntos nem sempre foram tratados com a dignidade que mereciam. Tal sorte foi frequente no ca…

Centro Cultural Rio-África

A Prefeitura do Rio de Janeiro e o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) lançaram um concurso para selecionar o projeto arquitetônico do novo Centro Cultural Rio-África. O museu será construído no antigo prédio da maternidade Pró-Matre, junto do Cais do Valongo, na Saúde. Com um investimento estimado em R$ 30 milhões, o Centro promete celebrar a cultura afro-brasileira e promover a igualdade racial. O concurso é exclusivo para arquitetos negros brasileiros e africanos de países de língua oficial portuguesa, membros do CIALP. Será … Continuar a ler Centro Cultural Rio-África

30 anos do programa Rota dos Povos Escravizados da UNESCO

Desde seu lançamento em 1994, o programa da UNESCO Rota dos Povos Escravizados: Resistência, Liberdade e Patrimônio desempenhou um importante papel na produção de conhecimento, no desenvolvimento de redes científicas e na promoção da memória sobre a escravidão e a sua abolição. O programa celebra em 2024 seu 30º aniversário, e a UNESCO iniciou diversas atividades para avaliar suas conquistas, estabelecer novas orientações, unir forças com o Fórum Permanente sobre os Afrodescendentes, mobilizar o público e reunir intelectuais. Como parte de seu 30º aniversário, … Continuar a ler 30 anos do programa Rota dos Povos Escravizados da UNESCO

Dossiê sobre o Cais do Valongo

Para citar este artigo:NARA JR., João Carlos Nara Jr.; RAMOS, Andressa, Dossiê sobre o Cais do Valongo, 2023. Disponível em: 1. Apresentação 1.1. A freguesia de Santa Rita A instalação de um complexo escravagista no Rio de Janeiro foi uma necessidade para que funcionasse o tráfico negreiro no sul do Brasil durante o período colonial. O sistema devia prever, ao menos, as seguintes instâncias: fiscalização sanitária, quarentena, controle alfandegário, lojas, e um cemitério exclusivo para os pretos novos, isto é, para os africanos escravizados … Continuar a ler Dossiê sobre o Cais do Valongo

“Fronteiras da Escravidão” no IHGB

Se você perdeu o lançamento do livro no Instituto Pretos Novos, não se preocupe.

Haverá um novo lançamento no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro a 29 de maio!

Como foi o lançamento de “Fronteiras da Escravidão” no IPN

250 anos do Cemitério de Pretos Novos do Valongo

A 30 de abril de 1774, Antônio José Correia, pároco de Santa Rita, e o seu coadjutor, Francisco Moreira da Costa, arrendavam um terreno de cerca de 600 m², pertencente à família Leite, proprietária da fazendinha de Nossa Senhora da Saúde, bairro da Gamboa. O imóvel funcionaria como campo santo para os pretos novos que eventualmente falecessem antes de serem vendidos, desde a data do seu arrendamento até o fim do tráfico oficial de escravos em 13 de março de 1830. Embora fosse três … Continuar a ler 250 anos do Cemitério de Pretos Novos do Valongo

Docas Pedro II: prossegue o litígio

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro solicitou à Justiça Federal que obrigue a União a cumprir seu compromisso de implementar o Centro de Interpretação do Cais do Valongo e o Memorial da Herança Africana nas dependências das Docas Pedro II. O pedido tinha sido feito em uma ação civil pública contra a União e a Fundação Cultural Palmares em 2018. A instalação do Centro de Interpretação e do Memorial no Galpão Docas Pedro II é uma obrigação estabelecida pela Unesco e deveria … Continuar a ler Docas Pedro II: prossegue o litígio

Fronteiras da Escravidão

A Editora do Senado Federal publica o livro Fronteiras da Escravidão: da África ao Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita no Rio de Janeiro. A obra reverencia a memória dos africanos que morreram durante a vinda forçada ao Brasil antes de serem vendidos e foram enterrados no cemitério do Largo de Santa Rita, zona central do Rio de Janeiro, que funcionou até 1774. A história dos “pretos novos”, expressão que designa os recém-chegados trazidos pelo tráfico negreiro, é contada de forma transdisciplinar, integrando … Continuar a ler Fronteiras da Escravidão

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search